Ives Gandra Filho: um excelente nome para o Supremo Tribunal Federal

img_1379

Com a morte inesperada e prematura do ministro Teori Zavascki, um novo ministro será indicado por Michel Temer para o STF. Segundo noticia a imprensa nacional, Ives Gandra Filho seria um dos prováveis candidatos.

Ives Gandra Filho tem 58 anos, é formado pela Universidade de São Paulo com mestrado na Universidade de Brasília e doutorado pela Universidade do Rio Grande do Sul. Notável jurista, escritor de diversas obras publicadas sobre Direito e Processo do Trabalho e filosofia. Foi advogado, Procurador do Trabalho, professor universitário na UNB e CEUB, e atualmente ocupa o cargo de Presidente do Tribunal Superior do Trabalho.

O candidato possui vasta experiência em variadas áreas do direito e sobretudo na magistratura. É um defensor da modernização das arcaicas leis trabalhistas do país para o equilíbrio da relação trabalhador/empregador. Neste sentido, Gandra Filho defende que o Estado deveria se afastar um pouco nas negociações coletivas, e que os próprios trabalhadores e empregadores possam resolver suas demandas. Delimitando o protagonismo da onerosa e jurássica justiça trabalhista brasileira.

Com tal posição, ele defende que uma mudança na atual legislação trabalhista é necessária a fim de trazer maior segurança às empresas e também possibilitar um aumento na criação de empregos no país. O que neste momento de intensa crise econômica e desemprego agudos poderia significar uma esperança para o mercado de trabalho brasileiro__que de forma inequívoca sofre com o peso da legislação trabalhista, que bloqueia o empreendedorismo e o desenvolvimento da atividade econômica. Não é novidade para ninguém que esta legislação é típica em países que não possuem linhas favoráveis ao capitalismo e adotam o socialismo como a fonte inspiradora, apta a dirimir as relações de trabalho e produção.

Com Gandra Filho no Supremo Tribunal Federal, o país só tem a ganhar. Ele deverá trazer uma nova mentalidade à Suprema Corte, um tribunal marcado pelo progressismo exacerbado e pela inovação constitucional. Entretanto, de forma desonesta e difamatória já iniciaram uma campanha contra seu nome, distorcendo algumas de suas visões jurídicas e dando a elas uma interpretação diversa do por ele defendido.

A resistência contra sua indicação é grande, pois trata-se de um católico conservador. Pertencesse ele ao time de visão, hoje majoritária no STF, certamente não haveria objeção ao seu nome. Seus detratores se esquecem que o Brasil é um país de maioria católica e conservadora, e que numa democracia todas as vozes deveriam ser ouvidas e participarem dos diferentes segmentos institucionais. Desprezar seu relevante saber jurídico e posições absolutamente desejáveis à modernização das leis nacionais em razão do seu conservadorismo, é a prova inequívoca do sectarismo de ideias vigente no Brasil.

Nós nos perguntamos; o que fará o Brasil com tanto progressismo trazido por décadas de políticas socialistas? __Já temos mais de 60 mil assassinatos anuais, uma educação de péssima qualidade que figura entre as piores do mundo, um dos maiores mercados consumidores de drogas, uma economia destruída, uma indústria capenga e não competitiva, milhões de desempregados e pouquíssima chance de desenvolvimento real. A continuarmos neste progressismo todo, garantidos estarão nosso subdesenvolvimento, nossa mediocridade e a insignificância mundial.

Obama doou 221 milhões de dólares para palestinos antes de deixar a Casa Branca 


Em seu último ato no exercício do poder, o ex-presidente americano Barack Obama repassou U$ 221 milhões à autoridade palestina, Mahmoud Abbas.

A liberação da quantia milionária se deu horas antes de deixar o cargo e não pôde ser bloqueada pelo Congresso americano.

O badalado “pacifista” e Nobel da Paz,  Barack  Hussein Obama não só deu suporte financeiro aos mais variados grupos terroristas quando de seu governo, bem como não poupou esforços no sentido de protegê-los.

O ex-presidente americano atestou com a doação aquilo que o mundo já sabia; sua  enorme simpatia pela causa palestina, que é responsável pela morte de inúmeros inocentes na região e que prega a execução de judeus.

Certamente o Hamas( grupo extremista/terrorista palestino, denominado Movimento da Resistência Islâmica) fará ” excelente” uso do dinheiro  e continuará em sua trajetória covarde e assassina, que há quase três décadas ceifa preciosas vidas.

Barack Obama fechou com chave de ouro seu pífio e vergonhoso mandato, que só serviu para reforçar a aliança da esquerda internacional com o terrorismo islâmico e suas bandeiras.

Obama passará para a história como o homem que mais contribuiu para a destruição dos pilares ocidentais. Obama traiu a parceria americana com Israel e se comportou como um fiel muçulmano, orquestrando o avanço do islã pelos quatro cantos do planeta.

Festejado pela mídia como um político exemplar e que buscava a paz, se revelou um perigoso promotor de guerras e de tudo aquilo que historicamente luta para destruir o ocidente e seus valores judaico-cristãos.

A farsa Obama acabou, mas seu legado permanece.

A mídia de Goebbels

A proximidade da posse do novo presidente americano tem mostrado o desespero explícito da mídia mundial.

Como não é mais possível mudar ou reverter o resultado da eleição presidencial nos Estados Unidos, a combativa e inconsolável mídia formal resolveu continuar em seu intento para desconstruir, caluniar, difamar e boicotar um mandato que ainda nem começou.

Donald Trump, o presidente eleito que assumirá em poucos dias, foi vítima de mais um complôzinho de quinta categoria, através da publicação sobre a existência de um (falso) dossiê, escrito por um ex-agente britânico que trazia supostas revelações sexuais  constrangedoras envolvendo o malvado e topetudo. A tramoia hollywoodiana foi encomendada, paga e obviamente divulgada por aqueles que não aceitam a vitória de Trump. Aliás, uma tentativa  clara e alucinada de minar e comprometer seu futuro cargo.

Além do curioso e infantil fato acima descrito, inúmeras notas beirando o ridículo sobre  as futuras decisões do novo presidente e diversas fofoquinhas  inúteis de cabeleireiro  se multiplicam diariamente  nos jornais de grande circulação  mundial. Desta forma,  como a imprensa brasileira não poderia ficar de fora do “Trend” midiático, resolveu nos brindar com sua conhecida bizarrice e desonestidade.

Depois de dar vida própria aos caminhões terroristas__ que do nada atropelam e matam inocentes pelo mundo, e de atuar como porta-voz de pobres vítimas da sociedade que degolam anjos em presídios, ela, nossa gloriosa imprensa decidiu comparar Donald Trump ao ditador  Adolf Hitler.

Neste sentido, a revista ISTOÉ provou que nem mesmo originalidade tem. Colocou em sua capa uma foto de Trump com um bigode a la Hitler. A ideia nem  nova é. Esta mesma capa foi apresentada meses atrás pela revista Letras libres. A intenção do jornalismo tupiniquim é exatamente denegrir  e comprometer a  imagem do novo e democraticamente eleito presidente dos Estados Unidos.

Não é novidade alguma que para a mídia mundial, a democracia só vale como democracia se exercida por seus queridinhos da esquerda. Donald Trump há tempos vem enfrentando um verdadeiro massacre  midiático que o classifica como o pior dos “políticos” do planeta( seguindo obviamente os moldes e adjetivos hitleristas). Não é de hoje que adjetivos como “xenófobo, machista, racista,  populista, fascista“ , e demais “istas“ lhes são  desonestamente atribuídos.

Gostemos ou não dele, o homem não é político profissional e não se curva aos interesses dos financiadores da grande imprensa e não tão pouco os respeita. Um homem que mostra-se politicamente incorreto e disposto a enfrentar todas  as consequências da quebra da aliança entre os descolados esquerdistas e seus fomentadores.

Se seu mandato será bom ou tenebroso, saberemos em breve !  Entretanto, o jogo começa a ficar interessante e deveras atrativo. Depois de comemorarem ( encobrirem) por oito anos seguidos o desastre político do atual presidente Obama__que foi brilhante apenas em seu marketing pessoal, nada mais natural e esperado que ajam desta forma com o desafeto Trump.

Os métodos usados pela grande e bem paga mídia mundial não são novos. Eles foram  adotados pelo Ministro da Propaganda de Adolf Hitler,  Paul Joseph Goebbels, que sabia exatamente como a mídia tem o poder de controle sobre as massas. Assim, a necessidade de repetição  de uma mentira  até que ela se torne uma verdade. Eis a prova de que a mídia de Goebbels sobreviveu ao nazismo e está sendo amplamente utilizada por aqueles que declaram compulsivamente seu amor incondicional à democracia.  É aí que mora a grande mentira !

Suspensa no Facebook por dizer o que todos pensam

O gosto e a apreciação da beleza são pessoais, mas temos o senso comum, a realidade, o óbvio e a visão.

Por dizer que a Miss Helsinki 2017, não representa a beleza europeia, ou a beleza propriamente dita, fui suspensa por sete dias.

Viva o autoritarismo! 

Eu continuarei a opinar, meus caros  e democráticos amigos! 
 
 

Idosa estuprada em sua própria casa por refugiado etíope na Alemanha

Semanas depois de uma idosa alemã  de 90 anos ter sido estuprada  por  um refugiado em Düsseldorf, quando saía da igreja, o terrível crime se repetiu e choca novamente o país.

Semana passada na cidade Heroldsberg, Baviera, uma idosa foi estuprada por um refugiado etíope de 25 anos, em sua própria residência. O criminoso tocou o interfone e quando a aposentada abriu a porta foi violentamente rendida, e depois  violentada pelo estrangeiro.

O criminoso que mora nas proximidades do local do crime foi preso, e confessou o estupro. A polícia conseguiu capturá-lo através de seu DNA  que foi encontrado na vítima. Segundo a polícia, o etíope já esteve preso no país por crimes sexuais e estava em liberdade há 5 meses.

A vítima precisou de internação hospitalar, mas segundo informações oficiais seu estado de saúde é satisfatório, apesar das inúmeras lesões sofridas em virtude da brutalidade do estupro.

A Promotoria de Justiça requereu a prisão preventiva do etíope.

A Alemanha vive uma onda inimaginável de crimes sexuais contra mulheres de todas as idades e até mesmo contra crianças.

Fonte:https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=1525788430780863&id=1289544721071903

Suiços  não querem o islã como religião oficial no país

Segundo uma pesquisa realizada na Suíça e que acaba de ser divulgada, 61% da população do país não quer que o islã  seja reconhecido como religião oficial.

Apenas 39%  dos pesquisados acreditam que o islã  deveria ser inserido como tal. Os jornais SonntagsZeitung e o Le Matin Dimanche  noticiaram que a maioria do país não acha que o islã a exemplo do cristianismo ou judaísmo deveria ganhar reconhecimento religioso.

A  pesquisa poderá levar a um pebliscito para que o povo decida sobre os rumos do islã no país alpino, que entende não haver lugar para tal religião em tão desenvolvida sociedade.

A Suíça tem se empenhado para proteger e manter  suas tradições  judaico-cristãs e valores ocidentais mesmo diante do lobby islâmico e do politicamente correto. Neste sentido, proibiu o uso da burca em  locais públicos e tornou mais  severa a admissibilidade   do recebimento de  refugiados da África e Oriente Médio bem como a deportação de estrangeiros criminosos assim reconhecidos e condenados pela justiça.

Recentemente a ousada  comunidade islâmica do país ( que possui algo em torno de 400 mil  pessoas) requereu que fosse removida a conhecida cruz na bandeira suíça, já que segundo ela “o símbolo cristão não corresponde à Suíça multicultural de hoje e ainda ofende os imigrantes maometanos “, conforme declarou o vice-presidente da Associação Islâmica do país,  Ivica Petrusic.

Provavelmente, em países islâmicos caso cristãos pleiteassem a retirada de seus símbolos das bandeiras seriam condenados à morte ou presos. Todavia, na Europa, onde as bizarras  exigências dos seguidores do profeta são levadas a sério e muitas vezes chegam a ser atendidas como forma de atender ao apelo multicultural exigido pela política  dominante no continente.

Fonte:http://www.swissinfo.ch/ger/mehrheit-will-islam-nicht-als-schweizer-religion-anerkennen/42570712